Alunos da Uerj fazem campanha para disputar competição de foguetes

Foto: Reprodução

Por Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

O Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro, formado por estudantes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), estão realizando uma campanha de financiamento colaborativo na expectativa de arrecadarem os fundos necessários para a participação na Spaceport America Cup. Trata-se da maior competição de foguetes do mundo, que ocorre no estado do Novo México, nos Estados Unidos.

O evento ocorrerá entre 19 e 23 de junho. Os estudantes da UERJ pretendem levar para a competição o Atom, um foguete de 3 metros de altura projetado para atingir uma distância de três quilômetros. Ele vem sendo elaborado há cerca de um ano e começou a ganhar forma a partir de novembro do ano passado.

No interior do foguete será colocado um pequeno modelo de satélite que permitirá o monitoramento de dados de voo e a detecção de raios cósmicos, além da verificação da temperatura, velocidade e pressão. Desde o fim do ano passado, a equipe tem enviado relatórios mensais do projeto à organização da competição.

Os estudantes da Uerj pretendem levar para a competição o Atom, um foguete de 3 metros de altura – Direitos reservados/Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro – Uerj

Devem disputar o Spaceport America Cup mais de 100 equipes de vários países. Os estudantes calculam que precisam de R$ 15 mil para custear passagens, hospedagem, alimentação e translado nos Estados Unidos. A delegação do grupo será composta por sete membros. Até o momento, R$11,7 mil já foi arrecadado. A campanha de financiamento colaborativo, realizada pela internet, vai até o dia 8 de junho.

“É uma oportunidade de contato com grandes empresas do setor e também com outras equipes e outras escolas de engenharia, algumas das mais prestigiadas do mundo como Harvard, MIT [Instituto de Tecnologia de Massachusetts], Caltech [Instituto de Tecnologia da Califórnia]”, diz o presidente da equipe Wallace Ramos, estudante do 7° período de engenharia mecânica.

Ele explica que o Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro foi fundado em 2016 e não recebe financiamento público, mantendo-se com doações e com o apoio de empresas parceiras. São 35 alunos dos cursos de engenharia, física, ciência da computação e pedagogia, que se dividem entre o trabalho técnico, de gestão e de marketing. Eles são orientados pelo físico João Canalle, professor da UERJ e coordenador nacional da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA).

No fim do mês passado, o grupo venceu o 5º Festival Brasileiro de Minifoguetes, realizado na Universidade Federal do Paraná (UFPR). O foguete Canalle Platinado terminou em primeiro lugar na categoria H1000, na qual a meta é atingir um quilômetro de distância. “Isso ajuda na motivação da equipe. Nos deu muita confiança de que podemos alcançar um resultado muito positivo nos Estados Unidos. Temos condições de fazer um bom lançamento e quem sabe conquistar o ouro”, avalia Wallace.

Edição: Aécio Amado
FONTEAgência Brasil
COMPARTILHAR